Emprego em navios? Mostre-me o CV!

O CV é uma ferramenta que as pessoas usam para conseguir emprego, certo? Errado!

Todos somos proviços (mix produto + serviço). O CV é uma Proposta de Venda, uma ferramenta de comunicação que chama a atenção para a sua “embalagem” e a distingue de todas as outras. Um CV é uma ferramenta de marketing e venda, o bilhete para uma reunião/entrevista, onde pode demonstrar o seu valor, criar empatia, ser a solução. Um CV faz o seu trabalho com sucesso se não o excluir de consideração. O propósito do currículo é simplesmente conseguir “meter o pé na porta”. 

O CV apenas tem o propósito de alcançar uma entrevista; será nesta que terá a oportunidade de conquistar o emprego. O CV é uma Proposta de Venda. Fácil de ler e de entender, impecável, com soluções e valor visível! A venda (conquista do emprego) será feita durante a entrevista. Se souber como e a quem está a vender!


O seu CV - A sua Proposta de Venda

Na hora de procurar emprego, porque não pensar como um empregador? Efetivamente, num processo de candidatura não é o que você quer que importa; é o que a empresa precisa! 
Claro que tem despesas e ambições e procura sustentação para as mesmas. Claro que quer aprender, desenvolver a sua carreira, crescer, construir currículo para outros voos. Mas na hora de conquistar uma oportunidade de trabalho, os seus interesses têm de assumir um papel secundário. O ator principal em palco é o empregador, é ele que cria a dinâmica no desenrolar da história. É ele que cria a oportunidade e tem, antes de mais, de o conhecer muito bem.

A empresa que contrata é uma entidade viva, que respira, que ambiciona e sonha, que acredita e inova, que constrói e faz acontecer. Uma empresa começa normalmente com uma ideia, uma ou mais pessoas e alguns recursos. Depois do nome, escrevem-se a missão, o propósito, as políticas e traçam-se os planos de negócios, de marketing, de financiamento, etc. Para que possa ganhar peso e altura, necessitará de mais pessoas, de mais recursos e de mais mercado. O crescimento trará alegrias, mas também algumas dores: oportunidades perdidas, decisões difíceis, investimentos pesados, problemas a resolver.

O que pensam e procuram os quadros dirigentes das empresas, quando suportam as tensões e assumem os riscos? Quais os seus trunfos e garantias?
– As suas equipas! Coesas, fortes, preparadas e motivadas.

Assim sendo e relativamente a pessoas, o seu ativo mais importante, o que procura o empregador?
– Atitude, Talento, Transparência, Franqueza, Valor, Resultados, sem qualquer dúvida.

Hoje mais que nunca, as empresas contratam e retêm talentos que lhes acrescentam valor e geram riqueza. Pessoas que se interessam, que aprendem continuamente e que se desafiam a si próprias. Que trazem atitude e energia positiva capaz de fazer acontecer. Pessoas que remam com mais força quando o vento sopra contra. 

Agora já sabe. Deixe de olhar para o seu umbigo. Estude profundamente a empresa e os seus mercados, as suas pessoas e equipas, a comunidade que servem. Conheça a sua missão e as evidências do seu percurso. Com esta energia em mente, consigo virado para os outros e para um propósito maior, comece a construir a sua Proposta de Venda – o seu CV.

  Um excelente   CV!

Um excelente CV!


A elasticidade do mercado

O emprego ou trabalho, tornou-se uma oportunidade escassa. A elasticidade dos mercados, como para qualquer produto ou serviço, associa o aumento da sua procura à especulação do seu valor. Conseguir uma oportunidade profissional tornou-se assim num agressivo processo de venda, onde se aplicam técnicas de comunicação, negociação e fecho, muito familiares aos profissionais de áreas comerciais. Na realidade, a entrega de um CV significa apenas o início de um complexo processo de promoção comercial, com fases determinadas.

A apresentação do CV é apenas uma ação concreta de venda, muitas vezes nem sequer a primeira. O objetivo, como já vimos, deve ser claro e inequívoco - alcançar uma entrevista. A pergunta que se coloca e que o desafia é a seguinte:
– O seu CV atual - a sua Proposta de Venda, apresenta e comunica bem o seu produto/serviço?


30 segundos

Enviou o seu CV para uma empresa. Tem 30 segundos para impressionar o recrutador. De forma positiva! O primeiro segredo do mundo dos profissionais de recrutamento e seleção: apenas dedicam cerca de 30 segundos na análise de cada CV, decidindo neste espaço de tempo, se o aceitam ou rejeitam.

O seu CV é uma ferramenta de venda e deve conter os elementos capazes de capturar a atenção do recrutador, exatamente no momento em que ele faz a primeira análise, em busca daqueles que pretende examinar mais a fundo. Os CVs que chamam a sua atenção são selecionados para uma análise detalhada. Os demais são descartados ou deixados de lado.
As empresas que recrutam profissionais recebem milhares de CVs. Não existindo muitas posições disponíveis, a maioria dos CVs são simplesmente colocados de lado. Para alcançar uma oportunidade é fundamental apresentar um CV profissional.


AIDA

Um bom CV constitui uma boa comunicação, seguindo uma regra muito simples conhecida por AIDA. O seu CV deve:
A   Captar imediatamente a Atenção, diferenciando-o de outras apresentações;
I     Suscitar o Interesse no recrutador, pela leitura atenta do seu CV;
D    Criar o Desejo de saber mais sobre si, de o conhecer melhor;
A    Promover a Ação do recrutador, o convite para uma entrevista.

Lembre-se, existem dezenas de CVs sobre a mesa dos recrutadores. Este é o primeiro desafio que tem de vencer - criar uma excelente comunicação!


KISS – Keep it Short and Simple

Menos é mais. É fundamental resumir o CV ao essencial, retirando o acessório. Fuja à tentação de dizer tudo, tenha a capacidade de ser claro e transparente. Consiga diferenciação, originalidade e sedução. Evite que o seu CV seja extenso, descritivo, complicado, confuso. Numa palavra, aborrecido. Não se trata de criar coisas complicadas, com gráficos sofisticados e papéis coloridos, distraindo a atenção daquilo que realmente é importante. Apenas informação clara, legível e objetiva.

Um currículo eficaz deve apresentar um design equilibrado e uma mensagem clara, evidenciando foco e atitude. Como todo a comunicação de excelência, deve conter apenas o essencial, removendo ruído e excessos. Lembre-se que o seu CV não é um guia detalhado, informativo e cronológico. Um CV é um resumo, com um máximo de duas a três páginas, onde valoriza as suas competências, conquistas e experiência, e identifica as suas qualificações. Terá tempo para apresentar cópias dos seus certificados, portfolio e outras evidências durante a entrevista, onde realmente farão falta.

“A perfeição não é quando não há mais nada a acrescentar, mas sim mais nada a retirar.”
Antoine de Saint-Exupéry


Resumo, sumário executivo, afirmação pessoal, perfil profissional (Personal statement/Professional profile)

O seu CV inclui um resumo/afirmação pessoal? Na primeira página? Se respondeu negativamente, tem trabalho de casa para fazer. O resumo, sumário executivo, afirmação pessoal ou perfil profissional, são designações diferentes de um mesmo significado, um componente absolutamente fundamental no início do seu CV. Uma das mais poderosas ferramentas de diferenciação e de captação de atenção (o A da AIDA). A sua oportunidade de se apresentar e de mostrar relevância. De sublinhar que é único, original e valioso.

Analise o seguinte exemplo de sumário executivo:
“Engenheiro de máquinas marítimas. Extensa experiência profissional, incluindo engenharia, gestão de projetos, recursos e liderança de equipas. Orientado a melhoria contínua, focado em resultados. Assinatura pessoal: adquirir conhecimento, crescer pela experiência, surpreender pela excelência. Sempre.”

Não tem um resumo, sumário executivo, afirmação pessoal, perfil profissional no seu CV? – Tem trabalho de casa para fazer. Prioritário e urgente. Obrigatório!


Fotografia

Deve sempre incluir a sua fotografia no seu CV, nas redes sociais e onde tiver presença. É um sinal de honestidade, confiança, franqueza. Mas não pode ser qualquer fotografia. A fotografia tem a missão de causar uma boa primeira impressão, um impacto positivo. Logo, tem de ser uma boa fotografia! Sabia que:
• Em menos de um segundo, a pessoa que vê a sua fotografia faz um julgamento sobre a sua credibilidade, atitude, competência e qualidades de liderança;
• Esta primeira impressão é persistente e muito difícil de mudar;
• As primeiras impressões, resultantes de fotografias, serão julgadas de forma mais severa e até mesmo negativa, que uma primeira impressão num encontro face a face.

Mas por que é uma primeira impressão tão importante? A primeira impressão, mesmo a partir de uma fotografia, irá determinar o futuro de um relacionamento, ou mesmo de uma carreira. Causar uma boa primeira impressão, é uma coisa boa. Mas o oposto pode condenar um relacionamento, antes que ele comece. Não terá uma segunda oportunidade para causar uma boa primeira impressão, especialmente com a fotografia no CV. Se não causar uma boa impressão, provavelmente não vai ter a oportunidade de falar com o recrutador e assim, possivelmente, alterar a sua opinião.

A foto deve estar atualizada, ter boa resolução e apresentar um cenário discreto que valorize a sua figura. A iluminação deve ser cuidada e a postura rigorosamente escolhida. Acima de tudo, a sua foto deve estabelecer uma conexão instantânea com quem a vê, uma ligação invisível, mas presente e motivadora de ação. Caso contrário, a sua fotografia será uma mera imagem e a sua pessoa ficará escondida por detrás de um escudo de aparências.

Uma fotografia de retrato constitui uma expressão facial, comunicando linguagem corporal. As expressões faciais falam muito mais do que as palavras. Alguns estudos indicam que 92% da nossa comunicação é não-verbal. Os especialistas concordam que, como seres humanos, damos prioridade ao que vemos e sentimos, antes de acreditarmos em qualquer frase ou palavra. Porque é isto importante na fotografia de retrato? Porque este tipo de fotografia comunica importante linguagem corporal. Cabeça baixa, peito encolhido e ombros descaídos são sinais óbvios de submissão; braços cruzados identificam irritação ou uma postura de defesa e desconforto. Porém existem muitos outros indicadores que podem estragar a fotografia: um sorriso falso, os lábios ligeiramente franzidos, transmitem sentimentos negativos que podem arruinar a comunicação.

Quer construir um CV, Proposta de Venda vencedora? Consulte um bom fotógrafo e que alcance um conjunto de fotografias excelentes!


O que deve e não deve fazer no CV

Antes de tudo e de todos, não permita erros ortográficos. São um péssimo sinal para o recrutador evidenciando falta de rigor, atenção e motivação. Se é assim a construir o seu CV, como será a desenvolver trabalho no dia-a-dia, caso seja contratado? Um único erro ortográfico basta, para fazer o seu CV passar do topo da pilha para o caixote do lixo.
Utilize uma única fonte de texto para todo o currículo, criando destaques através de textos em negrito, segunda cor ou de tamanho diferente. Não utilize tabelas ou sublinhados. Lembre-se que muitos currículos são vistos em telemóveis ou outros dispositivos com áreas de leitura reduzida. Deixe os textos com liberdade para se adaptarem ao espaço sem se deformarem. Deixe margens generosas e espaços em branco entre as várias seções do seu CV. Deixe as palavras e as frases respirarem. O leitor vai agradecer o conforto.

Vimos já que o seu currículo é uma ferramenta de comunicação e de venda, com um objetivo prioritário de se diferenciar dos outros 300, que estão a concorrer ao mesmo lugar que procura. Sendo assim, tendo em conta a indústria do transporte marítimo e algumas regras apresentadas antes, terá vantagens em usar o formato Europass? Nenhuma. A mesma opinião tem a maioria das companhias que recrutam profissionais. Utilize este formato apenas se o exigirem.

Um bom currículo está organizado por seções, perfeitamente distintas e visivelmente separadas entre si. Em todas elas, seja uniforme e estruturado e siga as recomendações e sugestões que apresentamos.

Secção 1 – Apresentação
Não escreva a palavra “Curriculum Vitae” no início do seu CV nem faça uma capa com este texto. Não faz falta nenhuma e ocupa o espaço disponível e útil para informação de maior valor. Comece com a sua foto e dados pessoais essenciais, incluindo informação para contato, domínio de idiomas em termos de leitura e de escrita, e nível de competências informáticas. Veja o seguinte exemplo:
“Álvaro Máximo Sardinha
Lisboa – Portugal
+351 91 7020363
alvarompsardinha@gmail.com
Linkedin: www.linkedin.com/in/alvarosardinha
Facebook: https://www.facebook.com/alvaro.maximo.sardinha
Skype: alvarompsardinha
Nacionalidade: Portuguesa
Nascimento: 8 Novembro 1964 – 52 anos
Idiomas: Português (Nativo), Inglês (Bom); Espanhol (Intermédio); Francês (Básico)
Competências informáticas: Excelentes
Não fumador”

Secção 2 – Resumo, sumário executivo, afirmação pessoal, perfil profissional
O seu resumo é o coração do seu currículo, o centro das atenções, o palco onde pode e deve impressionar. Lembre-se, não mais que 4 linhas. Deixe suficiente espaço no papel para que as palavras respirem e se destaquem das outras secções. Veja mais um exemplo:
"Preciso. Perspicaz. Adaptável. Profissional de vendas versátil, com uma compreensão profunda dos mercados de transporte marítimo e de cruzeiros. Combina empatia natural, tenacidade e atitude, superando as expectativas dos clientes. Idealiza, cria e dirige estratégias de vendas poderosas, que geram resultados mensuráveis e sustentáveis."

Secção 3 – Atividade profissional
Chegou a vez de apresentar a sua experiência profissional, devidamente ordenada cronologicamente – em primeiro lugar a experiência mais recente. Seja sucinto e evite descrever as suas funções na empresa. Opte por identificar evidências das suas competências, resultados positivos da empresa incluindo números, prémios, certificações, etc., atingidos por si ou por equipas de que fez parte. Importante não é o que se diz, é o que se faz e o que resulta da sua ação! Veja o seguinte exemplo:
"Engenharia, vendas, direção | COMPANHIA A
2006 a 2016
De engenheiro a diretor, coordenando uma equipa de 16 colaboradores, atingindo resultados de faturação de dois milhões de euros/ano. Responsável pela implementação de sistema de gestão da qualidade, gestão de competências e gestão empresarial. Empresa especializada em vendas, instalação, suporte e formação de sistemas de automação, para o mercado da indústria de transporte marítimo."

Secção 4 – Habilitações literárias
Tempo de falar da sua educação. Mencione os títulos alcançados sem esquecer de mencionar as entidades onde estudou. Também de forma sucinta e apenas em algumas linhas. Terá tempo para explicar detalhes durante a entrevista. Veja o exemplo:
"Licenciatura em Engenharia de Máquinas Marítimas
Escola Superior Náutica Infante D. Henrique
1987 a 1990 – concluída com média de 16 valores"

Secção 5 – Formação complementar
Finalmente, apresente a sua formação complementar, cursos, seminários, etc., de acordo com a sua relevância para as oportunidades profissionais a que se irá candidatar. Algumas formações não acrescentam valor e podem distrair o recrutador. Não esqueça, menos é mais.
Pode inserir outros temas ou secções no seu currículo, como por exemplo estágios, prémios, publicações, etc., caso sejam relevantes. Não mencione hobbies, mencione interesses. Naturalmente, se for ainda estudante ou finalista, terá de ser criativo e tirar partido de resultados e conquistas pessoais, em diversos domínios e interesses. Se já tem uma extensa experiência profissional, pode ser seletivo com a informação que mostra, omitindo factos menos relevantes ou já ultrapassados.


Muitas cabeças

Concluído? Muito bem. Tempo para reunir alguns amigos, mostrar o seu CV e pedir a sua opinião. Muitas cabeças a pensar pensam sempre melhor que uma. Poderá aqui colher sugestões valiosas e até identificar erros ou omissões. Depois, enviar o seu CV para si próprio, lendo o mesmo num tablet e telemóvel. Veja se gosta do que vê. Será assim que muitas vezes será lido.

Quando concluir o seu CV vai poder apresentá-lo a entidades que recrutam. Mas como já percebeu, a maior parte delas não está em Portugal nem fala o nosso idioma. As maiores oportunidades falam inglês e o seu CV tem também de o fazer. Tempo de fazer a sua tradução, profissional claro, sem erros e com os termos corretos. Pode e deve, mais uma vez, pedir ajuda a amigos ou até mesmo, contratar os serviços de tradução profissional. Afinal o seu CV é um documento de comunicação e venda, impecável na forma e no conteúdo.


Diga a verdade

Pode ser tentador aumentar o brilho do CV, fazendo com que a experiência profissional ou as qualificações académicas impressionem, com informação que não é real. Seja franco e conciso, não estique a sua história. A maioria das empresas realiza a verificação de referências e efetua cruzamento de dados. Se o seu currículo não corresponder ao seu efetivo histórico de trabalho ou educação, mais tarde ou mais cedo a verdade vai revelar-se. Resultado, não vai conseguir a oportunidade profissional ou será demitido se já tiver sido contratado. Depois fica com uma história negativa que o vai perseguir em outras oportunidades.


Tartaruga_ninja23@yahoo.com

Provavelmente vai enviar a sua candidatura por email. Conhece o endereço do destinatário. Melhor ainda, sabe até o nome de uma pessoa dentro da companhia a que se candidata. Mas e o seu endereço de email, aquele que vai ser apresentado ao destinatário na mensagem enviada? É um endereço que o identifica perfeitamente e que lhe dá uma imagem profissional? Tenha atenção a este tema. São os pequenos detalhes que fazem a diferença. 
A força da sua candidatura será a força do elo mais fraco.

  Um péssimo CV - A força da sua candidatura será a força do elo mais fraco.

Um péssimo CV - A força da sua candidatura será a força do elo mais fraco.


A carta de apresentação

Se o CV é importante, não menos é a carta de apresentação. Mas importante não significa complicar. O texto que desenvolver deverá ser mais uma vez sucinto, sem pretensão de contar detalhes, apenas estimular o remetente a ler o seu currículo com atenção. Note que a carta de apresentação ou email de apresentação são a mesma coisa, realizando uma apresentação sumária e informando a razão do envio do CV (em papel ou em anexo ao email). Neste texto deve sempre incluir três conteúdos:
• Saudação inicial e, se possível, nome do destinatário;
• Indicação da posição a que se candidata ou indicação da referência do anúncio ao qual responde;
• Apresentação sumária das suas competências e indicação das razões pela qual considera ser um excelente candidato. Pode aqui utilizar o texto do resumo ou sumário executivo apresentado no currículo.
• Frase de fecho;
• Assinatura e dados de contato.

Veja o seguinte exemplo:
"Muito Boa Tarde, Sr. António Lourenço,
Tenho o firme propósito, de desenvolver carreira profissional no sector de transporte marítimo, como engenheiro de máquinas, prosseguindo até à categoria de chefia.
Sou Licenciado em Engenharia de Máquinas Marítimas, pela Escola Superior Náutica Infante D. Henrique, com certificados STCW válidos. Tenho experiência profissional de engenharia em navios de cruzeiros, incluindo controlo de operações e manutenção de sistemas, gestão de recursos e liderança de equipas. Assumo um compromisso permanente por aprendizagem contínua, desenvolvimento pessoal e atitude proactiva, com foco em resultados.
Estou disponível para embarque imediato, em qualquer ponto do mundo.
Sinceros Cumprimentos,
Alvaro Máximo Sardinha
+351 917 020 363
www.linkedin.com/in/alvarosardinha"

Não menos importante, o que não deve escrever na sua carta de apresentação:
• Venho por este meio candidatar-me à vaga de…
• Venho por este meio anexar o meu currículo para vossa apreciação…
• Venho candidatar-me à vossa empresa…
Não esqueça que as empresas recebem centenas de candidaturas, dando mais valor às que se diferenciam, a começar pelas próprias palavras. Por outro lado, se está a enviar uma candidatura as suas intenções são óbvias. Não necessita mencionar o que já está explícito. Foque-se nas necessidades da empresa, nos fatores que a mesma valoriza. Encontra esta informação no site da empresa ou no corpo de anúncios. Faça alguma pesquisa e descubra quais os problemas que afetam a empresa, quais as qualidades que procuram num funcionário e quais os seus objetivos a médio prazo. Deste modo poderá utilizar a sua carta de apresentação para demonstrar que é uma solução. As cartas mais apelativas demonstram o que pode fazer pela empresa e não aquilo que a empresa pode fazer por si. Sublinhe por que motivo gostaria de trabalhar na empresa a que se está a candidatar e por que será o candidato indicado ao cargo.

Alguns exemplos de boas frases:
• Nos últimos 5 anos liderei uma equipa de 10 consultores imobiliários, tendo atingido sistematicamente xxxx$ de vendas.
• Possuo experiência comprovada em engenharia de máquinas marítimas, adquirida recentemente em navios de transporte de contentores, pelo que considero ter as competências necessárias para contribuir para a adequada manutenção e segurança dos vossos navios.

Tenha em atenção que, se passar a imagem de ser impertinente e demasiado confiante, a empresa terá receio de o contratar. Evite frases tais como “melhor candidato” e “perfil vencedor” quando descrever as suas capacidades. Evite também frases comuns, por exemplo indicando que sabe “trabalhar em equipa” ou que procura um emprego que lhe permita “demonstrar todo o seu potencial”. Estas frases não o irão ajudar a avançar no processo de recrutamento.

O seu objetivo é destacar-se dos restantes candidatos. Estas frases são genéricas e utilizadas constantemente por outros profissionais que procuram emprego. De igual forma, dizer que o seu objetivo é “encontrar um emprego estável, numa empresa de sucesso com oportunidade de progredir” não o irá fazer sobressair. Este objetivo é comum à maioria dos candidatos e apenas estará a desperdiçar linhas essenciais. O recrutador está mais interessado em saber como pode ajudar a solucionar os problemas da empresa.

Uma boa carta de apresentação deve deixar o recrutador com vontade de o conhecer. Deverá focar-se no futuro e como pode contribuir para o sucesso da empresa. Tal como o CV, o objetivo de escrever uma carta de apresentação consiste em conseguir um convite para uma entrevista.


Se não tiver uma boa comunicação, valerá a pena comunicar?

A habilidade de descrever a sua personalidade e competências profissionais, através de uma carta de apresentação e de um currículo, de forma direta e objetiva, é um fator muito valorizado pelos recrutadores. Um CV mal construído é uma forma de encerrar portas, por vezes definitivamente.

Se não tiver um CV sólido e eficaz, considere nem sequer o apresentar. Invista algum tempo e dinheiro na construção de documentos de candidatura vencedores, sem erros, verificados por si e por mais pessoas, com uma fotografia profissional, design simples e uniforme, textos cuidados e muita atitude e diferenciação. Depois parta com confiança e garra, à conquista do ambicionado posto de trabalho.


O primeiro contato

Nove horas da manhã, toca o seu telemóvel. Surpreendido, verifica que está a receber uma chamada de fora do país. Atende e fica surpreendido pela apresentação que escuta: alguém duma empresa a que se candidatou, gostou do que leu e selecionou o seu CV para uma primeira entrevista por telefone. Sem o perceber começou a sua avaliação. Primeiro escuta uma breve apresentação de quem o contacta, alguma informação sobre a oportunidade em causa e depois começam as questões. Sem que o perceba, o interlocutor está a escutar as suas respostas e, simultaneamente, a realizar a leitura da sua atitude, competência, tom de voz, confiança, disponibilidade, nível de inglês falado, etc. Muita informação num diálogo breve, mas fundamental para o processo de seleção.

As empresas e agências de recrutamento estão à procura de pessoas dinâmicas, motivadas e altamente organizadas, que trabalham bem como parte de uma equipa profissional. Assim, a entrevista é o momento em que tem a possibilidade de se introduzir no mercado, demonstrar o seu valor e explicar que é o candidato ideal para a oportunidade. Neste primeiro contato é fundamental mostrar disponibilidade e interesse na oportunidade, conhecimento da indústria e muita atitude na voz. Levante-se, corrija a sua postura, sorria e fale – a sua voz será interpretada com maior volume e determinação. 

Não fale demasiado, apenas o suficiente para responder às questões apresentadas. Não hesite nas respostas. Será questionado sobre a empresa onde trabalha atualmente ou sobre empresas onde trabalhou. Seja positivo e evite palavras negativas. Se está empregado, enviou a sua candidatura porque pretende mudar para melhor, quer crescer profissionalmente. Se está desempregado, saiu da empresa devido a final de contrato. Não foi despedido nem está aborrecido com ninguém. Entretanto informe que tem estado ativo a melhorar os seus conhecimentos, participando em cursos, seminários, etc. Evidencie uma postura de aprendizagem contínua.

Como já percebeu, quanto mais conhecimento tiver da indústria, mais confiança terá nesta primeira entrevista. E esta pode ser decisiva. Por isso deve estar preparado, procurando fazer parte da comunidade, respirando os seus desafios e conquistas. Passar pelo processo de entrevista de emprego com sucesso, requer preparação e planeamento. Descubra o máximo que puder através do anúncio a que se candidatou, sobre o empregador e a indústria. Nunca esqueça:
• Não preparar uma entrevista é preparar para falhar!
• Não é o que eu quero, é o que a empresa precisa!
• Atitude, atitude, atitude!

Normalmente esta primeira entrevista é breve, mas podem surgir questões como as seguintes:
• Fale um pouco sobre si.. diga-nos quem é..
• Fale sobre o seu último emprego..
• O que sabe sobre a nossa empresa?
• Porque pretende trabalhar na nossa empresa/indústria?
• Fale sobre a sua experiência em …

Se tudo correr bem o processo pode avançar para outra fase, por exemplo uma entrevista remota ou presencial, realização de testes, apresentação de documentos adicionais, etc.


A entrevista presencial

Chegou o grande momento. Não tem de estar nervoso. Está preparado. Não sabe tudo mas tem vontade de aprender. Não quer caminhar sozinho, quer construir e celebrar em equipa. É positivo e resiliente. Está devidamente informado, sabe o que quer e está focado no percurso que deve seguir. Conhece pessoas e entidades no sector. Reconhece que há muito por fazer, mas não fala mal de ninguém. Tem uma atitude positiva e afasta-se de quem gosta de caminhar pelo muro das lamentações. Acredita que em cada problema existe uma oportunidade e busca-a ativamente. Não hesita e arregala os olhos de paixão, sempre que fala do que faz e quer fazer. A entrevista é a sua oportunidade de subir ao palco e brilhar, de mostrar tudo o que aprendeu e a vontade de seguir caminho. Sem medos!

Mas com preparação. Não precisa ser arrogante porque não é o melhor do mundo. Existem muitas outras pessoas cheias de talento, provavelmente a concorrer à mesma oportunidade. Seja sábio reconhecendo as fragilidades, os pontos onde necessita evoluir. Comece pela linguagem corporal. Não esqueça que as primeiras impressões contam. Seja pontual. Escolha um vestuário cuidado com o qual se sinta confortável. Não precisa ser extravagante ou aparentar quem não é. Precisa sim de mostrar um aspeto cuidado, atavio, atenção nos pormenores, incluindo cabelo, barba, unhas, mãos. Se fuma, cuidado com o cheiro que as suas roupas possam propagar.

Ouça as notícias e compre o jornal do dia – esteja informado sobre acontecimentos recentes. Desligue o telemóvel. Escolha bem as primeiras palavras, o tom de voz, a postura. Seja simpático com todas as pessoas. Muito provavelmente será recebido na receção. Poderá esperar neste local pelo entrevistador ou ser encaminhado para uma sala de reuniões. Em qualquer dos casos e enquanto aguarda, evite conversas desnecessárias sobre o tempo, política, futebol e religião. Faça uma leitura 360º de tudo o que o rodeia, incluindo cores, estilos de mobiliário, quadros, fotografias, certificados, prémios, etc. Mostre interesse, questione e ouça respostas ou aguarde em silêncio. Escute mais e fale menos. Leia revistas ou brochuras que a empresa possa ter disponíveis. Tranquilo.

Olhe nos olhos, sorria, não cruze os braços nem coloque as mãos nos bolsos. Opte por as colocar ao lado do corpo, mostrando o peito erguido e evidenciando confiança. Evite gestos desnecessários e excessivos e mantenha uma boa postura. Coloque ambas as mãos em cima da mesa evitando apoiar os cotovelos. Não olhe para o relógio. Coloque na mesa o seu bloco de apontamentos e uma caneta. Mostre que valoriza a empresa e a oportunidade e que respeita o entrevistador, registando a informação relevante que lhe derem. Coloque também em cima da mesa, as folhas que imprimiu a cores, com informação que retirou no site da empresa, nas notícias, etc.
Mostra assim sinais de preparação da entrevista e de sensibilidade e orientação ao que a empresa planeia, faz e procura. Leve os seus certificados, portfolio, projetos, publicações numa pasta. À medida que a conversa se for desenvolvendo e se oportuno, coloque os documentos relevantes na mesa. Este é o verdadeiro momento da sua venda de produto/serviço. Tudo o que antes falei, são técnicas comuns de venda. Nada acontece por acaso.

“Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes.”

Ricardo Reis, in “Odes” Heterónimo de Fernando Pessoa

E não foi por acaso que deixei a melhor técnica de vendas de soluções complexas (como é a contratação de um profissional) para o final. Mostre o que a empresa pode ganhar contratando o a si; apresente resultados do seu trabalho em outras empresas – números, factos, prémios, crescimento, etc.

Não é o que você diz que faz; o que verdadeiramente importa são os resultados que atinge com o que faz:
• Não diga que é contabilista, diga que faz as pessoas pouparem dinheiro;
• Não diga que é um bom engenheiro, diga que implementou um programa que poupa toneladas de combustível e milhares de euros em cada mês;
• Não diga que é responsável e atento, diga que o seu novo sistema reduziu o número de incidentes de segurança em 50%.

Segundo um estudo realizado em 2015 (Social Recruiting Survey), no qual foram entrevistados mais de 1.400 empresas e profissionais de recrutamento, 87% dos mesmos informaram que o entusiasmo é a característica que mais valorizam num candidato; 85% dos mesmos classificaram o conhecimento da indústria como fundamental; 79% valorizaram as competências de conversação e de comunicação; 66% a pontualidade; 63%, o aspeto físico. A forma como são apresentadas as saudações e cumprimentos foi valorizada por 38% dos inquiridos.
Agora já sabe! Como dizem os japoneses,
“Lágrimas no treino, alegria no combate”
Prepare-se.


Boas perguntas – boas respostas

Se pretender trabalhar numa companhia estrangeira, a entrevista será conduzida muito provavelmente em inglês. Prepare-se previamente para as questões que potencialmente lhe vão colocar. Em todas as respostas, apresente segurança e confiança no que fala; não minta; fale com um tom agradável e com linguagem adequada; mostre seriedade e profissionalismo; demonstre entusiasmo, equilíbrio emocional e garra; apresente um perfil sociável com facilidade de relacionamento; exiba uma personalidade alegre evidenciando prazer em servir; tenha segurança quanto ao seu nível de inglês; mostre que pretende construir uma carreira a bordo; evidencie que sabe das dificuldades da vida a bordo, mas que isso não será um problema; e finalmente, não demonstre muito apego a família e amigos.

Perguntas pessoais:
• Tell me about yourself…
• What are you doing at the present time?
• Talk about your previous experience.
• What do you know about life on board?
• Why do you want to work in our company?
• Why would you like to work on a cruise ship?
• Why should we hire you?
• Are you able to do hard work?
• What are your plans about the salary?
• How about your family and friends, will you miss them? Are you prepared to be far away from them?
• What do your parents think about you working on a cruise ship?

Perguntas sobre um local de trabalho prévio:
• Talk about this hotel/restaurant….
• How many stars?
• Which kind of guests?
• Did they receive foreign people?

Perguntas específicas da função:
• How do you serve red wine?
• How do you clean a pool?
• How to serve a colonial coffee?
• How do you deal with angry people?


Sobre a linguagem corporal

Ao entrar na empresa ou na sala, o primeiro recado que você passa está no seu rosto. Cumprimente todas as pessoas a quem se dirigir com um leve sorriso. Sorrir suavemente denota segurança e simpatia e constitui uma arma poderosíssima, para criar um vínculo interpessoal imediato. O sorriso demonstra confiança, abertura, calor e energia, estimulando o ouvinte a sorrir também. Além disso, transmite uma atitude positiva, e uma personalidade otimista e entusiasta. Sem o sorriso, pode muitas vezes ser visto como carrancudo ou indiferente.

A iniciativa de cumprimentar deve sempre partir do entrevistador. Um aperto de mão firme e acompanhado de um sorriso é o cumprimento adequado. O aperto de mão deve ser natural, mas determinado. Não deve apertar demasiado a mão do entrevistador, mas não pode ser frouxo, deixando passar uma imagem de desleixo, desinteresse e falta de vitalidade. Evite que as palmas das suas mãos estejam húmidas ou suadas.

Mantenha a cabeça erguida. A melhor forma de transmitir confiança consiste em manter uma boa postura, de cabeça levantada e com os ombros discretamente chegados para trás. Ficar em pé ou sentado de forma direita envia uma mensagem de autoconfiança, credibilidade força e vitalidade. Esteja de pé ou sentado, com as pernas um pouco afastadas transmitindo segurança. Evite uma postura fechada, dado que representa um sinal negativo.

Não coloque as mãos nos bolsos, atrás das costas e não cruze os braços sobre o peito, transmitindo um sinal de que está fechado, agressivo ou totalmente passivo. Deve sempre parecer aberto e amigável, o que significa que as mãos devem estar visíveis e prontas a gesticular naturalmente.

Quando se sentar evite reclinar as costas para trás. Mantenha uma postura neutra durante a entrevista. Reclinar as costas para trás sugere aborrecimento ou falta de interesse. Não recline muito o corpo para a frente, não se aproxime muito do entrevistador ao inclinar-se sobre ele ou sobre a sua secretária ou posição, parecendo assim solícito ou ameaçador. A postura neutra é a ideal, bastando sentar-se direito. Evite recostar-se para trás ao ouvir uma pergunta. Aparenta uma postura defensiva, como se não gostasse do que ouve. Agarrar os braços da cadeira é outra postura a evitar, porque pode transmitir ansiedade, tensão e insegurança. Não esqueça que a entrevista de emprego começa na sala de espera. Portanto, não se sente desleixado na cadeira na área de receção.

Evite mexer-se muito na cadeira ou cruzar e descruzar as pernas, o que pode ser interpretado como um sinal de tédio. Aliás, não deve sequer cruzar as pernas, evitando assim uma postura considerada defensiva ou associada a um excesso de “à vontade”. Procure manter os dois pés bem assentes “no chão”. Evite gestos bruscos que podem ser considerados agressivos. Apontar é muitas vezes visto como um gesto agressivo e, em algumas culturas, é considerado como extremamente rude. O ideal é evitar gestos com as mãos que sejam muito rápidos, repetidos ou agressivos. Porém, evite estar muito rígido e parado, o que pode significar falta de competência e de controlo. Movimente-se para enfatizar pontos importantes, demonstrar dinamismo e evitar o tédio.

Evite bater ritmicamente com o pé no chão e abanar os joelhos, demonstrando nervosismo. Gesticule com as palmas das mãos para cima, o que indica uma postura aberta e amigável. Mexer no cabelo, roer as unhas, brincar com a caneta ou objetos, mexer em pulseiras, colares, anéis etc., são sinónimos de insegurança e nervosismo. Idealmente deverá manter as mãos abertas, repousadas sobre os joelhos ou sobre a mesa, em sinal de sinceridade e transparência.

Evite também determinados gestos faciais, desde virar os olhos a olhar fixamente e a pestanejar muito. Mantenha uma expressão serena, confiável e neutra.
Olhe o entrevistador nos olhos, mas não por longos períodos de tempo, evitando ser interpretado como agressivo. Porém não evite o contacto visual. Um olhar esguio e assustadiço demonstra que o candidato é uma pessoa em quem não se pode confiar. Os peritos são unânimes em considerar que responder a uma questão a olhar para um quadro na parede ou para o chão, é o primeiro passo para não ser escolhido. Foque-se, evitando andar a percorrer a sala com o olhar, o que pode dar a impressão ao recrutador que está a ser desonesto ou que está desconfortável. Se for entrevistado por mais do que uma pessoa tenha o cuidado de distribuir o olhar por todos, dedicando-lhes a mesma atenção e medindo as suas reações e interesse. Mesmo que um dos entrevistadores seja mais interventivo e coloque mais questões, não esqueça que está a ser avaliado por todos.

Mantenha uma escuta ativa e o contacto visual durante a entrevista. Faça perguntas inteligentes demonstrando interesse, conhecimento e preparação prévia. Não se coloque numa posição superior ou inferior. Imite a postura corporal do entrevistador – espelhar subtilmente alguns detalhes, como expressões faciais, gestos e tom de voz é uma forma rápida de demonstrar afinidade. Tenha consciência que o seu tom de voz pode transmitir entusiasmo ou desânimo. Não seja monótono, mas também não tenha variações excessivas, para não transmitir a ideia de nervosismo. Respire fundo antes de falar. Tenha cuidado com a forma como apresenta o seu discurso e preocupe-se em falar devagar para ser bem entendido. Não olhe para o relógio. Este é um “crime” flagrante e intolerável! Esqueça o tempo. Não denuncie eventuais pressas, impaciência ou desinteresse.

A conversa terminou? Arrume os seus documentos e pertences com calma. Se for precipitado, pode dar a impressão de que quer “fugir” da situação. Em seguida, basta apenas dar um aperto de mão no entrevistador, virar-se e sair. Se a porta estava fechada quando entrou, é importante fechá-la ao abandonar o espaço. De preferência, olhando para o entrevistador e fechando o encontro com um último sorriso.


Seguimento da Entrevista

Todas as propostas de vendas devem ser acompanhadas. Se o envio do CV constituiu a sua comunicação para conquistar uma entrevista/reunião, a entrevista foi o espaço e a oportunidade que teve para iniciar o seu processo de venda. O ciclo de compra/decisão do entrevistador/empresa pode ser mais ou menos longo. Poderão surgir dúvidas ou determinadas objeções após a entrevista, das quais quererá ter conhecimento.

Se não o fizer, poderá demonstrar desinteresse e ser eventualmente ultrapassado por outro candidato mais dinâmico. No final da entrevista, deve questionar quais os passos seguintes do processo de seleção e respetivo cronograma previsto. De acordo com o mesmo, não hesite em realizar um contacto telefónico e falar com o entrevistador ou responsável pelo processo de seleção. Não está a ser chato. Está a ser persistente, interessado, motivado, com a mesma atitude que vai ter no dia-a-dia, quando for contratado.

Questione como está o processo de seleção. Se já decidiram ou se existe alguma informação adicional que possa apresentar. Denote o seu interesse de forma humilde, mas não subserviente. Se existirem algumas objeções, negoceie, não desista, insista em nova entrevista ou teste para comprovar as suas capacidades. Se for informado que foi preterido em favor de outro candidato e que o processo está fechado, tente saber quais as razões pelas quais a sua candidatura não foi a vencedora, para que possa melhorar as suas competências no futuro.

Não esqueça, na entrevista apresentou a sua proposta de produto/serviço. A decisão de compra virá após um período de negociação. Não se afaste demasiado!

- Atitude, Atitude, Atitude!

“Se pensar que consegue, vai conseguir.
E se pensar que não consegue, está certo.”

Henry Ford